Água


PLANETA ÁGUA

O globo terrestre possui uma extensa camada líquida que também é chamada de hidrosfera. A água se encontra na atmosfera sob a forma de vapor d’água, condensada ou em forma de cristais de gelo. Na litosfera, a água se infiltra, formando as águas subterrâneas, ou flui, formando as águas superficiais (rios e lagos). A água tem papel fundamental nos mecanismos climáticos e nos processos erosivos. A sua presença ou ausência condiciona a existência ou inexistência da fauna e da flora na superfície terrestre.

O crescimento do consumo de água potável nas últimas décadas, devido ao aumento populacional ou ao processo urbano-industrial, vem pondo em risco a sua disponibilidade, embora esta seja um recurso natural renovável. A relação entre oferta e procura tende a piorar, uma vez que a demanda aumenta em grandes proporções e, se mantido as tendências atuais, deve dobrar a cada vinte anos. O que vai cada vez mais faltar, é água em boas condições de consumo.

A água abrange três quarta partes do total da superfície terrestre, o restante é ocupado pelas terras emersas. Intercalada entre os continentes, esta grande massa líquida distingue-se em várias porções (oceanos, mares, rios, lagos, etc.). Cada um possui características próprias como temperatura, grau de salinidade, profundidade.

As águas do mar podem ser estudadas de acordo com as diferentes características que apresentam, ou seja, físicas, químicas ou biológicas. Consideramos características físicas a densidade e temperatura. Os movimentos e a coloração também são atribuídos às características químicas ou biológicas. Para as características químicas entram em destaque a composição da água do mar e os sedimentos em suspensão. Já em relação aos aspectos biológicos, interessam os microorganismos animais e vegetais ou plânctons como são conhecidos, indiretamente responsáveis pela vida animal nos mares.

A Terra tem aproximadamente 71% de sua superfície (área equivalente a 361 milhões de km2) coberta por um corpo de água contínuo geralmente dividido em oceanos principais e mares. Destes quase três quartos do Planeta que é coberto pelo grande oceano, em torno de 61% do Hemisfério Norte e 81% do Hemisfério Sul são oceanos.  Acima de 50% desta área a profundidade atinge mais de 3000 metros (9800 pés). Este oceano global interconectado de água salgada é divido pelos continentes e arquipélagos em cinco oceanos:

OCEANOS (do grego Okeanos) é um corpo principal da água salina e um componente principal da hidrosfera.
Oceano Pacífico, Oceano Atlântico, Oceano Índico, Oceano Glacial Ártico, Oceano Glacial Antártico (considerado por muitos cientistas como um mar, formado pelo Atlântico).
Algumas características dos oceanos:

Profundidade

Oceano
7.235 metros (23.730 pés)
5.450 metros (17.881 pés)
8.648 metros (28.374 pés)
7.725 metros (25.344 pés)
11.037 metros (36.254 pés)
5.121 metros (17.220 pés)

 

Exploração

A ciência que estuda os oceanos da Terra é chamada  OCEANOGRAFIA.
Uma parte da Oceanografia, chamada oceanografia Física, especialmente através de sondagens submarinas, é a responsável pelo estudo dos movimentos do mar, a natureza dos fundos oceânicos, as formações dos litorais, o relevo submarino e os depósitos marinhos.

Os oceanos são ambientes totalmente diferentes do terrestre. Assim, esse ambiente é dominado por fenômenos muito peculiares que não ocorrem em terra, como as marés, as ondas, as correntes marinhas, vórtices,etc.

No meio ambiente terreno a água na forma como a conhecemos encontra-se num estado intermediário entre o estado gasoso (vapor) e o sólido (gelo), quando exposta as intempéries: o calor da crosta terrestre, os raios solares, os ventos, a pressão atmosférica, promove a evaporação e precipitação deste líquido sobre o próprio mar e os continentes, dando início ao ciclo das águas, responsável pela sedimentação do fundo do mar e a salinização dos oceanos.

Os limites de cada oceano correspondem aproximadamente ao contorno das terras que os circundam. Cada oceano possui trechos em que a delimitação é precisa e nítida, mas em alguns casos as águas se encontram e não há uma referência exata da passagem de um para o outro. Por sua conformação, podem as águas oceânicas apresentar trechos encravados no interior dos continentes ou apertados entre terras e ilhas, de tal maneira destacados, que recebam a denominação de mares.  Podemos citar a porção do Atlântico que possui uma grande quantidade de ilhas e se coloca entre as Américas Central, do Sul e do Norte, denominada de Antilhas ou Mar do Caribe.

Os trechos oceânicos apertados entre ilhas e continentes situados principalmente entre suas bordas, também são denominados mares. Um exemplo é o Canal da Mancha entre a Inglaterra e França, no Oceano Atlântico.
Os mares situados nas costas dos continentes ou muito próximos da costa são denominados mares costeiros. Além destes, no interior dos continentes grandes porções de água, salgadas ou não, também são chamados de mar ou mares continentais, como por exemplo, o Mar Negro.
Geomorfologia Oceânica
Plataforma Continental: são porções submersas dos continentes, com baixo declive, indo do litoral até cerca de 200 metros de profundidade. É uma região mais favorável à produção biológica.
Planície Abissal: são grandes planos nas profundezas do oceano, com profundidade média em torno de 4.000m.
Talude Continental: é a zona de declive acentuado entre as planícies abissais e a plataforma continental.
Fossa Abissal: são fraturas tectônicas, as áreas mais profundas dos oceanos.
Dorsal Submarina: são grandes cadeias de montanhas submersas no oceano, originando-se do afastamento das placas tectônicas. Ao se afastarem, as placas tectônicas fazem com que o magma suba do manto e se solidifique, formando a crosta oceânica.
Falésias: são formas de relevo litorâneo abruptas, com declividades acentuadas e alturas variadas, originam-se da ação das ondas do mar sobre as rochas.
Bacias Oceânicas: são os compartimentos da superfície da Terra que contêm os oceanos e mares e apresentam alguma correlação com a estrutura rochosa dos continentes.

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
Parte da água que cai durante a chuva infiltra-se nas camadas do solo e permanece retida pelas mais impermeáveis, ou embebida em rochas porosas. São denominadas águas subterrâneas.
Conforme a profundidade que atingem são assim classificadas:
Lençóis freáticos – Quando se localizam em pequena profundidade e que alimentam principalmente poços caseiros.
Lençóis profundos ou artesianos – Utilizados para o abastecimento de cidades e para uso industrial. Estes lençóis podem aflorar livremente na superfície de acordo com as características do relevo. A água pode aflorar sob a forma de uma nascente, vertente, bica, manancial ou olho d’água e podem surgir nos flancos dos morros, nas escarpas, no fundo dos vales ou nas encostas de montanhas, dando origem a um pequeno curso d’água, uma sanga, um córrego, um ribeirão ou um riacho.

Fontes:
* Geografia Geral - Teoria e Prática 
   Carlos Alberto Schneeberger e Luiz Antônio Farago.
* Oceanos - Scientific American - Brasil.

Arquivo do site

Em destaque