domingo, 13 de dezembro de 2015

A ONG Survival International acusa 'gangues de madeireiros' de incendiar terras indígenas do Maranhão



Foto: Survival International

A Organização não governamental (ONG) Survival International afirmou, por meio de nota enviada à imprensa mundial, nesta quinta-feira (10), que "gangues de madeireiros" são responsáveis por iniciarem os incêndios nas terras indígenas do Maranhão.

Os Awá isolados podem ser aniquilados se os incêndios não forem controlados.

Incêndios – quase certamente iniciados por gangues de madeireiros – estão se alastrando no Maranhão. Apesar de um chamado global por ação para proteger a floresta amazônica e impedir que os indígenas Awá sejam aniquilados, até agora as autoridades fizeram muito pouco para conter o fogo.

Um incêndio de grandes proporções está atingindo a Terra Indígena Caru, na região oeste do estado maranhense, há pelo menos duas semanas.

Os incêndios começaram há umas semanas. Os Awá tentaram repetidamente apagá-los, porém, mais focos surgem nas proximidades. O padrão indica que os incêndios são intencionais, ao invés de focos naturais da temporada de seca. Também em outros lugares do Brasil, madeireiros iniciam incêndios para tentar forçar indígenas a deixarem suas terras.

Os incêndios se seguem a um incidente parecido que ocorreu na Terra Indígena Arariboia em outubro: o fogo lá queimou quase a metade da floresta. Acredita-se que esse incêndio também foi iniciado por madeireiros em um território de índios Awá isolados.

Um Awá afirmou: “Como vamos ficar sem nossa comida, sem a floresta? O fogo destruiu nossas caças. Estamos muito preocupados. Os não-indígenas estão colocando fogo na nossa mata, encontramos homens armados! Tentamos controlar o fogo por um lado e surge em outro lugar.”

Muitos Awá são isolados e altamente vulneráveis a ameaças externas como doenças.

O governo do Maranhão enviou apenas apoio mínimo para a região. Essa atitude já foi tomada outras vezes, e pode ser resultado da proximidade de oficiais do governo com a poderosa indústria madeireira.

Em uma fala a fazendeiros neste ano, o Deputado Fernando Furtado de Maranhão disse que os índios da Amazônia são “um bando de viadinho” e que deveriam morrer de fome. Atitudes racistas como essa não são incomuns até entre políticos no Brasil.

A Survival International, o movimento global pelos direitos dos povos indígenas, faz apelo urgente às autoridades brasileiras, para que façam mais para salvar os Awá dos incêndios e para apoiá-los nos esforços para preservar a floresta. Os indígenas são os melhores guardiões da natureza, mas quando as autoridades os abandonam ou ignoram, eles têm poucas chances de se salvarem ou de salvarem suas terras da destruição.

O diretor da Survival International, Stephen Corry, afirmou: “Esses incêndios são um modo de agir da máfia madeireira que atua impunemente no Maranhão. Enquanto poderosos interesses escusos existirem com a finalidade de retirar os indígenas de suas terras ancestrais e ignorar seus direitos, para explorar a Amazônia, catástrofes assim continuarão a acontecer. A Survival está fazendo tudo o que pode para aumentar a atenção em relação ao apelo dos Awá e pressionar por mais ações que levem ao fim desses incêndios.”

Queimadas consumiram mais da metade da TI Arariboia (Foto: Marizilda Cruppe / Greenpeace)



Campanha Vamos Apoiar a Apoinme

Arquivo do site

Em destaque