sábado, 22 de dezembro de 2012

13 razões para dizer não à aquicultura industrial do camarão


Aquicultura intensiva de camarão (camarões chamado em muitos países latino-americanos) ou carcinicultura, entre outras consequências

1. Ameaça a integridade dos ecossistemas costeiros. O rápido crescimento da carcinicultura-cuja produção se concentra 99% nos países tropicais em desenvolvimento, tem sido acompanhada por uma trilha de exploração de recursos naturais aumentou, causando ampla destruição dos ecossistemas costeiros como deltas, estuários, mangues, pântanos e manguezais, sendo este último um dos ecossistemas mais afetados do mundo. Estudos têm revelado uma grande perda do ecossistema manguezal em áreas tropicais e subtropicais, em alguns casos mais de 30% dessas áreas foram destruídas para a produção de camarão, sendo esta atividade reconhecida como a principal ameaça à escala global.

2. Diminui as funções dos serviços ecossistêmicos. O desenvolvimento e a apropriação de vastas áreas das zonas costeiras pela indústria provoca graves consequências econômicas e ambientais. Um exemplo claro é o ecossistema de mangue, que fornece numerosos funções ecológicas de produção e regulação, alguns deles são a proteção contra inundações, erosão, os fenômenos climáticos e produção de nutrientes, além de ser uma fonte de biodiversidade que hospeda espécies de valor comercial. Estima-se que o ecossistema manguezal presta serviços ambientais para a sociedade que vale 1,2 bilhões por ano. No entanto a destruição de manguezais para o desenvolvimento da carcinicultura altera e diminui o  fluxo de funções e, portanto, os benefícios gerados por esse ecossistema para a sociedade.

 3. Ameaça a soberania alimentar das populações costeiras. A implementação desta indústria em áreas altamente produtivas, como lagoas, pântanos, mangues, entre outros, compromete gravemente a capacidade de produção de alimentos gerados por esses ecossistemas, bem como tem dificultado ou impedido o exercício de atividades tradicionais como a pesca artesanal ou a mariscagem. Como exemplo, um dos cinco sistemas naturais mais produtivos do mundo é precisamente o ecossistema manguezal, que cumpre a função de criação,  alimentação, abrigo e reprodução de 75% das espécies tropicais, formando assim os meios de subsistência e a base alimentar de milhões de pessoas e famílias em todo o mundo. O desenvolvimento desta indústria e a dificuldade de acesso às áreas tradicionais de pesca, coleta de mariscos, flora ou produtos medicinais, etc, está afetando gravemente a soberania alimentar e o direito das populações costeiras, dos povos nativos do mangue.

4. Utiliza  métodos de pesca destrutivos. As empresas que não possuem tecnologia suficiente para obter a prole em cativeiro, ou seja larvas produzidas pela própria indústria aquícola as extraem do meio natural. Este tipo de captura resulta em muitos danos para o ecossistema, como as redes de malha muito fina utilizadas para pescar as de larvas de camarão não fazem a distinção entre as espécies e descartam, ou seja, matam um grande número de larvas de outras espécies. Somente em Bangladesh, estima-se que mais de 98.000 milhões juvenil e zooplâncton são capturados e descartados a cada ano. Prejudicando seriamente a viabilidade futura do ecossistema e a sobrevivência de numerosas espécies e, portanto, os meios de subsistência e de base alimentar da comunidade local.

5. Participar ativamente na sobreexplotação pesqueira e na insegurança alimentar no mundo inteiro. Alimentar os camarões de viveiro com rações procedentes de espécies selvagens de pescado é também um modelo que exacerba sobrepesca insustentável. Para obter 1 kg de camarões de cativeiro a industria de carcinicultura emprega 2 a 3 kg de outras espécies. Hoje, cerca de 20% das capturas mundiais são para produção de ração e farinha de peixe para alimentar em grande parte para a produção aquícola, incluindo a carcinicultura. Este número impressionante é proveniente de captura de espécie selvagem composta basicamente por peixes pequenos, forrageiras que são  precisamente a base alimentar de toda cadeia alimentar marinha, assim que a sua explotação afeta, sem dúvida, o equilíbrio natural dos ecossistemas marinhos. Além disso, a sobrepesca ocorre principalmente em países com altas taxas de desnutrição na população, como no Peru ou em muitos países africanos, colocando em risco a segurança alimentar em outras partes do planeta. Na África Ocidental, por exemplo, esta pescaria compete com a pesca artesanal para consumo humano.

6. Contribui para o aquecimento global e a crise climática. Os Mangues retiram o carbono da atmosfera e o fixa no solo, onde pode permanecer por milênios. Este ecossistema particular pode armazenar até seis vezes mais carbono que a floresta amazônica em seu estado natural. Quando os manguezais são degradados para o desenvolvimento da aquicultura, se libera grandes quantidades de gases de efeito estufa para a atmosfera. Então, se analisarmos a captura de carbono associada a este modelo industrial, o resultado é alarmante, já que estima-se ser 10 vezes mais que a produção de carne de vacas criadas em áreas desmatadas da floresta amazônica. Além disso, a frota industrial capturar peixes selvagens para alimentar camarões de viveiro, utiliza grandes quantidades de petróleo, que deve ser adicionado a todos os combustíveis e as emissões resultantes, utilizado para conservação, congelamento, transporte e comercialização de camarão até chegar à mesa do consumidor.

7. Privatiza terras de domínio público. A instalação de piscinas para o cultivo do camarão em zonas de domínio público tem freado drasticamente o desenvolvimento de atividades tradicionais relacionadas com a alimentação e subsistência, mas também as atividades sociais e culturais dos povos ancestrais. A privatização de estradas e áreas públicas, bem como a instalação de barreiras e fios eletrificados em torno de instalações de aquicultura, rios e estradas, bloqueiam a livre circulação e acesso das comunidades às suas áreas tradicionais de domínio público. A carcinicultura viola os direitos de acesso aos bens comuns e públicos das populações.

8. Cria conflitos armados e viola os direitos humanos. Na maioria dos casos, as comunidades locais intimamente ligada ao seu território se opõe à expansão da carcinicultura, sofrendo perseguições, violência física e psicológica por parte dos vigilantes das próprias empresas que desenvolvem a aquicultura de camarão. Em torno desta atividade foram documentados casos de ameaças, coerção, desaparecimentos, estupros e até assassinatos, resultando em inúmeras ações judiciais por parte da populações afetadas em vários países onde desenvolve carcinicultura. A criminalização da defesa territorial é uma prática comum pelas empresas de carcinicultura, muitas vezes com a cumplicidade das autoridades governamentais.

9. Aprofunda a injustiça sócio-ambiental. O desenvolvimento intensivo da carcinicultura envolve a terceirização ou transferência à sociedade e ao meio ambiente, dos custos da degradação ambiental. Assim, enquanto uma minoria logra benefícios econômicos substanciais, o resto da comunidade sofre as consequências de um aumento da pobreza, fome, enfermidades, contaminação, poluição e violação dos direitos humanos fundamentais. Privatiza-se os ganhos e socializa os impactos ambientais e sociais.

10. Viola a legislação ambiental. O monocultivo de camarão tem sido desenvolvido sem regulamentação ou planejamento, e hoje em dia a maior parte das empresas aquicola têm situações irregulares relacionadas à legislação de licenciamento e ambiental em cada um dos países onde se desenvolve esta indústria. O poder econômico das empresas geralmente corrompe as instituições responsáveis pela proteção do meio ambiente, por isso muitos casos de destruição e degradação caem na impunidade.

11. Distribuição inadequada de recursos públicos. Os fundos públicos que deveriam  investir na melhoria da qualidade de vida das populações, especialmente os países em desenvolvimento, têm sido direcionadas para uma atividade altamente predatória e socialmente e ambientalmente insustentável. A rápida expansão e deficiente regulação da indústria de camarão tem sido apoiado por organismos financeiros internacionais, incluindo agências bilaterais, o Banco Mundial, a Internacional Finance Corporation, do Banco Asiático de Desenvolvimento, o Inter-American Development Bank e agências das Nações Unidas.

12. Ameaça a saúde de trabalhadores e consumidores. O Metabissulfito de sódio, embora seja considerado um produto químico de alta insalubre em muitos países, é um conservante químico amplamente utilizado por esta indústria. Este composto, ao reagir com a água libera o dióxido de enxofre descargas de água do gás (SO2), que provoca uma irritação da pele, olhos, laringe e traqueia, e cujos efeitos podem resultar, de acordo com diversos estudos científicos, doenças graves em pessoas expostas. Além disso, o metabissulfito de sódio também é usado como conservante durante o transporte, de modo que o consumo desses produtos também não é recomendado para a saúde, especialmente para pessoas com alergias ou asma. Outros estudos mostram níveis elevados de PCB (conhecida tóxico e cancerígeno) em camarão cultivado e outros compostos contaminantes. A tudo isto deve ser adicionado a grande quantidade de antibióticos para subministrar os camarões de viveiro, para evitar a propagação de bactérias, cujos efeitos tem graves consequências para o meio ambiente, mas também pode ter efeitos nocivos sobre o consumidor.

13. Maquiagem verde da destruição através de certificação. Uma das estratégias utilizadas para incentivar o desenvolvimento da indústria é por meio da certificação, que visa regulamentar novas práticas para a produção industrial de camarão. Mas as certificações atuais não garantem atividade ecológica e nem socialmente responsável, mas é baseado em uma estratégia de mercado imposta para melhorar o marketing e as vendas a nível internacional, beneficiando os produtores e certificadoras (não-afetadas populações locais), e uma tentativa de garantia à saúde dos consumidores. Até o momento esta certificação destina-se apenas para legitimar uma atividade que representa uma grave ameaça para os ecossistemas e as populações costeiras dos países onde esta indústria se expande.

Isto não tem de ser assim. Existem métodos de produção sustentáveis  que são benéficos para as comunidades locais e não agride o meio ambiente, mas para que isso seja possível, nós, os consumidores, devemos exigir que nossas lojas que vendem frutos do mar é produzido de forma ética. Nossas empresas não devem esconder deficiências dos sistemas de falsas declarações ou de certificação, mas deve adquirir conhecimento de como obter o camarão vendido em cada elo da cadeia de produção e devem informar os seus consumidores.

Por essas e outras razões, dizemos não ao camarão aquicultura intensiva.

Para mais informações contactar: pesca@ecologistasenaccion.org

http://www.ecologistasenaccion.org/article23014.html

Enviada por Roberto Malvezzi.

Publicado no site Combate ao Racismo Ambiental

Campanha Vamos Apoiar a Apoinme

Arquivo do site

Em destaque